23 de fevereiro de 2019

Querência Gaúcha

Abrindo a porteira 

 Hoje vou Abrindo a Porteira desta página, falando um pouco a respeito do nosso Rio Grande. A SESMARIA, dividir a terra em lotes, e distribuí-los a particulares foi o sistema de posse utilizado por Portugal, em todas suas colônias. A lei das Sesmarias remonta ao ano de 1375. Para ganhar uma Sesmaria, bastava um despacho do comandante militar, ou governador, com a posterior aprovação do Conselho Ultramarino,em Lisboa. A terra concedida tornava se propriedade hereditária, sem entraves, o dono tinha que pagar apenas dízimo sobre o que produzisse.  No Rio Grande do Sul, as primeiras sesmarias foram concedidas aos tropeiros que se deslocavam de Laguna para caçar o gado selvagem, e acabaram se estabelecendo nos campos de Viamão. Um deles era Francisco Pinto Bandeira, pai de Rafael. Em 1732, cinco anos antes da fundação de Rio Grande, ele já ocupava duas sesmarias.  Mas foi com a paz, garantida pelo tratado de Santo Ildefonso, em 1777, que se intensificou a distribuição de terras aos chefes militares que haviam lutado na guerra contra os espanhois. Eram na maioria, oficiais do Regimento de Dragões, ou comandantes das Companhias de Ordenanças, as unidades auxiliares formadas por todos os homens civis da Colônia. Seus integrantes não recebiam soldos, mas os postos de Comando gozavam de honras, privilégios, liberdades, franquezas. Bem poucos foram os Dragões que não receberam terras para nelas construírem seus lares, e organizarem suas estâncias pequenas ou grandes. Pouco anos após o fim da guerra contra os espanhois já se registrava mais de oitocentas propriedades. Um relato do próprio governador diz que todas as terras estão tomadas, mas todas estão desertas. A legislação das sesmarias serviu para reforçar a concentração das terras nas mãos de poucos. Apesar de ser gratuita havia toda uma burocracia e as trâmites eram muito custosas. Inacessíveis aos simples lavradores sem vinculações com a administração colonial. A prepotência, a força e os cargos administrativos em muito contribuíram para que aqueles que recebiam uma sesmaria se apossassem de outras terras lindeiras. Após a posse, geralmente o proprietário providenciava um encarregado para administrar seus bens, construía um rancherio para acomoda-los, e estes iam arregimentando gente, fazendo das propriedades pequenos regimentos particulares, pois seus peões além de cuidar do gado e da propriedade, também serviam de guardiões e soldados para combater qualquer ataque que viesse dos castelhanos ou de assaltantes que vagavam pelos campos desertos. Nosso município não foi diferente, por aqui existiu muitos sesmeiros que foram os primeiros povoadores destas terras. Iniciaram a povoar a região de São Sebastião, hoje Torquato Severo, e dali foram se expandindo em direção a Livramento. Exemplo disto a Sesmaria do Barão do Upacarai! Com o tempo estas terras foram divididas entre familiares, outros foram vendendo, e hoje a maioria das propriedades provém das velhas sesmarias.

CTG Rodeio da Fronteira

 A  patronagem do CTG Rodeio da Fronteira, em preparativos para o inicio das atividades do Ano Social da entidade. A abertura do Ano Social acontecerá no próximo dia 09 de março, com um JANTAR-BAILE animado pelo Grupo BAILE GAÚCHO, da cidade de São Francisco de Assis, por sinal este Grupo de São Chico, já animou Fandango no Rodeio da Fronteira, e se não me falha a memória foi ano passado. Bueno, já ficam todos convidados para este grande evento, e sabe como é, o patrão e sua equipe estão contando com as presenças de associados, amigos e  frequentadores. Portanto, pode ir se adiantando e comprar seu convite ou sua mesa, e ir engraxando as botas que o salão é grande e dá para dançar só pela volta de fora, ou se preferir gastar a sola da bota bem no meio do salão !
 TE ESPERAMOS, VIVENTE !

0 comentários:

Postar um comentário

Em "Comentar como:"
Você pode comentar como "Anônimo"

Copyright © FOLHA DA CIDADE | Designed With By Blogger Templates
Scroll To Top