Cidade


A Polícia Civil abriu nesta terça-feira (18) uma investigação contra um motorista de aplicativo que foi banido após supostamente assediar uma adolescente em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre. O caso aconteceu no último domingo (16). A jovem, que tem 17 anos, gravou um vídeo e divulgou nas redes sociais.

A delegada responsável pelo caso, Marina Dillenburg, já foi titular da Delegacia de Polícia de Dom Pedrito, onde atuou em casos de grande repercussão, entre eles, a Operação Grande Família, a morte do menino Welyton Gomes Alves, entre outros. Ela disse não ter todas as provas para finalizar o inquérito policial de que é alvo André Lopes Machado, de 43 anos, mas afirmou que ele "muito provavelmente" vai ser "responsabilizado por perturbação da tranquilidade".

"Muito provavelmente, sim [vai ser responsabilizado], porque temos os vídeos que são uma prova bem forte em relação a isso. Mas ainda há elementos a serem considerados. A princípio será responsabilizado, por perturbação da tranquilidade. Se conseguirmos tipificar a conduta dele com outras vítimas e coisas mais graves, ele vai ser indiciado", explicou a delegada.

Segundo ela, o homem nega ter cometido assédio. Em nota, a Uber informou ao G1 que a conta do motorista foi banida do aplicativo.

A mãe da jovem afirmou: "Fiquei completamente indignada e com nojo do que ele falou para ela".

No vídeo, é possível ouvir o momento em que a jovem diz ser menor de idade ao motorista André Lopes Machado. Ele, no entanto, rebate e afirma que "não seria um problema".

O homem, então, continua: "Seria problema se tivesse 13 anos, e acho que tu não tem 13 anos, 14 para cima tu já é responsável".

Depois de postar os vídeos em uma rede social, a jovem recebeu relatos de outras adolescentes dizendo que já conheciam o motorista e que tinham passado pela mesma situação. De acordo com a delegada, não há denúncia de outros casos envolvendo o motorista.

"Foi a primeira vez que ele teve problema com uma passageira. Não recebemos formalmente nenhuma outra vítima, mas temos nomes e estamos indo atrás. Mas registro mais ninguém fez ainda", disse Marina Dillenburg.

A delegada disse ainda que André "nega que tenha assediado a menina". "Ele comentou que está sendo injustiçado, que ele teve de deletar os perfis de mídia social, que está repercutindo muito forte na vida dele, mas nega e entende que não houve assédio."

As informações são do G1/RS

Post a Comment

Em "Comentar como:"
Você pode comentar como "Anônimo"

Postagem Anterior Próxima Postagem

Anuncie aqui

header ads

Anuncie aqui

header ads

Anuncie Aqui

header ads