Rádio Upacaraí

18 de fevereiro de 2019

Espírito Jovem

Marcelino Simões Fontoura

 Existe o corpo velho, sem saúde e sem espírito jovem; existe o corpo velho, sem saúde, e com espírito jovem; existe o corpo velho, com saúde e com espírito jovem. Existem outras combinações também. E em todas, salvo melhor juízo, o que faz a diferença é o estado de espírito do ser. Por exemplo, se o corpo é velho e tem saúde, é porque o espírito jovem a mantém; todavia, se o corpo é velho, não tem saúde, e o espírito é jovem, tem a ver com desígnios da natureza, porém é só a saúde material que não há, mas ela está noutro lugar talvez mais importante, e, inclusive, irradiando em outros meios por onde esteja ou passe.

 Marcelino Simões Fontoura, conhecido por muitos; ex funcionário do Banco do Brasil (agência local); amante do futebol; jogador de futebol; são poucos os palcos de jogo em Dom Pedrito por onde esse senhor não desenvolveu o seu prazer de “correr atrás de uma bola”. O campo da AABB foi um de seus domínios. Goleador, muitas vezes irreverente, irritando goleiros e zagueiros, porque não bastava somente fazer o gol, tinha que gozar do goleiro e rir do zagueiro. Muitos jovens não o viram correr, driblar, dar um passe, defender, cabecear, chutar e fazer gols, pois ele jogou há muito tempo atrás. Afinal este senhor tem 82 anos de idade. Algo peculiar tinha, a risada, o sorriso na face. Um frango do goleiro, um drible bem dado, mesmo que não fosse dele, dificilmente não se ouvia uma gargalhada sua e um deboche da “vítima”.

 Caros leitores, conjugou-se o verbo no passado, como se o Seu Marcelino não fizesse mais isso. Mas faz. Ainda joga futebol, e quantas vezes no meio de guris. Naturalmente perdeu parte do vigor. Mas a irreverência não. A técnica ainda está na sua mente. Ainda tem goleiro com um olho na bola e outro nesse centroavante perigoso. É comum ouvir: “Cuida o Seu Marcelino que ele embucha”. Continua com vontade de ganhar o jogo, reclamando dos companheiros que erram a jogada, rindo, desenvolvendo uma salutar gargalhada, e literalmente pulando de alegria quando faz um gol, sem falar da “flauta” depois do jogo; sabe “flautear” como ninguém.

 Atualmente está ocorrendo um campeonato de futebol sete no Country Club (2019), e ele faz parte da categoria de veteranos, acima de 40 anos (pois o cara tem mais que o dobro).

 Perdão, Marcelino, ao dizer que teu corpo está velho, mas tua saúde parece boa, e teu espírito é indubitavelmente jovem. E ser assim inspira, reflete, ensina. No meio de multidões, é sempre possível pinçar pessoas assim. Quiçá que a grande maioria tivesse o espírito jovem. Talvez o mundo fosse mais alegre; talvez fosse possível ver mais sorrisos nas faces; talvez fosse possível ouvir mais gargalhadas; comportamentos esses que atraem abraços, que afastam rancores, provocam diálogos, e que fortificam a saúde do corpo.

 Felicidade, Marcelino, continue assim, fazendo golaços na vida. O gol de placa já fizeste, ser como és. Saúde, vida longa, e muito obrigado por dar o privilégio de aprender que ser jovem pode ser eterno.

Geancarlo Loreto Laus

0 comentários:

Copyright © FOLHA DA CIDADE | Designed With By Blogger Templates
Scroll To Top