Rádio Upacaraí

19 de dezembro de 2016

Preços aquém das expectativas, a crise e a oportunidade na pecuária

 Já é velho e sabido que o Brasil vem passando por um período de crise. O triênio de 2014 a 2016 deve se consolidar como a pior crise da história recente do Brasil, segundo especialistas. E 2017 pode ser mais um ano de retração no PIB, ainda que pequena, mesmo que haja possibilidade de reação da economia a partir do segundo semestre.

 Este cenário, uma hora ou outra, impacta em praticamente todos os elos e setores da economia, e na pecuária não está sendo diferente, porém, demorou um pouco mais. A relação oferta x demanda esteve favorável mais tempo no setor.

 Porém, a alta taxa de desemprego e de endividamento que atingiu a população, afetou o consumo e as cotações do mercado boi em geral sentiram os efeitos em 2016.


 Atualmente o preço do boi gordo gira entre R$ 9,90 e R$ 10,30/kg de carcaça, a prazo, sem bonificações. O preço médio da primeira quinzena de dezembro está 3,6% maior que o mesmo  período de outubro deste ano. Não caiu, mas estávamos acostumados a altas bem maiores que isso.

 Considerando o mesmo período a título de comparação, a oscilação foi de 15,2% em 2013, 13,5% em 2014 e 15,5% em 2015, contra 3,6% em 2016, mesmo 14-15 já sendo anos de crise. São 10 pontos percentuais ou mais de diferença para 2016.

 Em períodos como este é que o pecuarista eficiente se destaca, pois consegue enxergar oportunidades nas dificuldades onde a maioria só vê obstáculos, seja na produção ou na comercialização. É necessário cautela, planejamento e muito conhecimento, tanto nas negociações de gado como na aplicação de tecnologias e técnicas para aumentar a produtividade do rebanho.

 Quando a oscilação de preços é menos favorável, como está ocorrendo agora, o impacto da eficiência na produção animal é multiplicado, pois quando as cotações têm altas constantes é bem mais fácil ter lucro, quando os preços não colaboram, é mais difícil ter um bom resultado, pois depende-se muito mais da parte produtiva.

 Pastagens e suplementação bem planejadas, utilizadas e executadas ajudam a melhorar resultados, sempre. E são ainda mais importantes em períodos de preço menos favorável ou desfavorável. Acima de tudo, a gestão deve ser bem feita, pois é assim que podemos decidir qual a melhor tecnologia a ser aplicada no sistema.

 Qualquer dúvida sobre gestão e planejamento de comercialização entre em contato: (53) 9 9995-2790 ou e-mail renato@lanceagronegocios.com.br

Por Renato Bittencourt

0 comentários:

Copyright © FOLHA DA CIDADE | Designed With By Blogger Templates
Scroll To Top