Embasada pela PGE, decisão do TJ declara abusiva paralisação de fiscais agropecuários - FOLHA DA CIDADE

Ultimas

Post Top Ads

Post Ads

18 de dezembro de 2019

Embasada pela PGE, decisão do TJ declara abusiva paralisação de fiscais agropecuários


Foi publicada, na manhã desta terça-feira (17), pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, decisão que deferiu a tutela de urgência pleiteada pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE), em ação declaratória de ilegalidade/abusividade de greve ajuizada pelo Estado contra o Sindicato dos servidores de nível superior do Poder Executivo do Estado do Rio Grande do Sul (Sintergs) e Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro).

Os servidores entraram em greve no dia 26 de novembro. A adesão foi total no município. 

Em sua fundamentação, a PGE argumentou que a greve promovida, especificamente em relação ao cargo de fiscais estaduais agropecuários, não assegurou a continuidade dos serviços de fiscalização, gerando grave risco de dano à saúde pública, ao meio ambiente e à economia do Estado.

A paralisação comprometeu, também, o uso do herbicida 2.4-D, já que a ausência de fiscalização e a aplicação indiscriminada do produto pode causar efeitos graves em culturas como uva, maçã e oliveira. O Ministério Público, inclusive, recomendou à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) a suspensão do produto enquanto perdurasse a greve.

O desembargador Alexandre Mussoi Moreira, relator do processo, afirmou que “não se discute, na hipótese, o direito à greve dos servidores públicos estaduais, uma vez que este direito é inquestionável e amparado pela Constituição Federal." Contudo, acrescentou, "é importante ressaltar que o exercício do direito de greve não é ilimitado, uma vez que há parâmetros legais impostos ao movimento grevista, na medida em que este não pode se sobrepor ao interesse público.”

A decisão destacou, ainda, que mesmo em períodos de greve deve haver continuidade na prestação dos serviços e que, no caso concreto, a fundamentação e documentos apresentados pela PGE não deixam dúvidas quanto aos graves prejuízos que a paralisação das atividades desempenhadas pelos fiscais acarreta ao interesse público.

O procurador-geral adjunto para Assuntos Jurídicos, Victor Herzer da Silva, afirmou que “o direito de greve, embora previsto constitucionalmente, não é absoluto. O interesse público deve ser preservado. A atuação da PGE buscou garantir a continuidade desse serviço essencial à sociedade e fundamental para a manutenção da atividade agropecuária no Estado".

A decisão declarou abusiva a paralisação e determinou a manutenção de 30% do efetivo dos servidores em atividade, impondo multa diária de R$ 50 mil aos réus em caso de descumprimento.

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Post Ads