22 de abril de 2019

Festival de Cinema da Fronteira; confira programação

Drama histórico Anahy de las Misiones. Uma das atrações do Festival. Foto: M. Schmiedt Produções

Bagé, Santana do Santana do Livramento, Rivera (Uruguai) sediam, nesta semana o 11º Festival Internacional de Cinema da Fronteira. Com entrada franca, o evento começa nos dias 23 e 24 de abril - terça e quarta-feira - na Fronteira da Paz e prossegue de 25 a 27 de abril em Bagé. 

A atriz gaúcha Araci Esteves é a grande homenageada deste ano. Bagé também receberá a presença da atriz e escritora Ítala Nandi. Esta edição apresenta um recorte temático intitulado "O Renascer do Patrimônio". A seleção deste ano reúne seis longas em competição e seis fora de competição, com títulos em première nacional ou gaúcha, além das mostras competitivas de curtas internacionais e regionais. Os longas da mostra competitiva são "Caminhos Magnétykos” (2018, Brasil/Portugal), de Edgar Pêra, "Domingo" (2018, Brasil), de Clara Linhart e Fellipe Barbosa, "Las Rutas en Febrero" (2018, Uruguai), de Katherine Jerkovic, "Morto Não Fala" (2018, Brasil), de Dennison Ramalho, "Ocho de Cada Diez" (2018, México), de Sergio Umansky Brener, "Our Madness" (2018, Moçambique/Portugal), de João Viana. 

A seleção de curtas é composta por filmes de 15 países e revela a diversidade da produção contemporânea. O 11º Festival da Fronteira é uma realização da Associação Pró Santa Thereza e Centro Histórico Vila de Santa Thereza, com financiamento do Sistema Pró-Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac-RS). A produção é da Anti Filmes, com apoio das prefeituras de Bagé, Livramento e Rivera e apoio institucional da Urcamp, Unipampa e Udelar. O jornalista Roger Lerina assina a curadoria de longas-metragens. O evento tem direção artística de Zeca Brito e produção de Frederico Ruas e Maristela Ribeiro. Mais informações no perfil fb.com/festivaldafronteira.

Programação

As atividades começam a partir das 10h de terça-feira (23), no Salão Nobre da Prefeitura de Santana do Livramento (R. Rivadávia Corrêa, 858), com entrevista coletiva com convidados e autoridades da cidade. À tarde, a partir das 15h, acontece no SESC (R. Brg. David Canabarro, 650) a exibição do drama adolescente "Guigo Offline" (2017), de René Guerra, seguido da primeira sessão da Mostra Internacional de Curtas-Metragens, às 16h30min. 

À noite, o Festival cruza a fronteira para homenagear Araci Esteves com a exibição do drama histórico gaúcho "Anahy de Las Misiones" (1997), de Sérgio Silva (1945-2012), às 20h, na Casa de Cultura de Rivera (Av Presidente Vieira, 1084). O longa protagonizado pela atriz é considerado uma obra fundamental da cinematografia gaúcha e nacional. Na quarta-feira (24), às 15h, no SESC, será exibida a comédia nacional "O Sonho de Rui" (2019), de Cavi Borges e Ulisses Mattos. A partir das 16h30, será projetada a segunda sessão da mostra de curtas. Às 20h, a Casa de Cultura de Rivera, exibirá o terceiro e último programa de filmes curtos. As atividades na Fronteira da Paz encerram-se às 21h, com o inédito drama espanhol "Bernarda" (2018), de Emilio Ruiz Barrachina, baseado na obra de Federico García Lorca, com a Victoria Abril ("Ata-me!") no elenco. Victoria é famosa por seus papeis nos filmes de Pedro Almodóvar. 


De quinta (25) a sábado (27), o Festival da Fronteira prossegue em Bagé com a mostra competitiva de longas, premiações e outras atrações. As projeções acontecem no Centro Histórico Vila de Sta. Thereza (Av. Visc. Ribeiro de Magalhães). Na quinta, das 9h30 às 12h30, será ministrada a oficina Cinema na Sala de Aula: Como usar Filmes, com a crítica de cinema Fatimarlei Lunardelli, no Salão de Atos da URCAMP (Av. Tupi Silveira). Às 15h, "Guigo Offline" (2017) passa fora de competição e às 17h, é a vez do drama histórico "Pedro e Inês" (2018), de António Ferreira, coprodução entre Portugal, Brasil e França, que teve sua estreia no Festival de Cinema de Montreal. À noite, serão projetados os títulos da mostra competitiva de longas: o drama "Las Rutas en Febrero" (2018), de Katherine Jerkovic, às 19h, e "Morto Não Fala" (2018), de Dennison Ramalho, às 21h. Uma das promessas do cinema uruguaio, a produção da jovem realizadora Katherine teve sua première no Festival de Toronto, conquistando três prêmios. O filme gaúcho de horror "Morto Não Fala" é inédito no RS e também teve sua estreia no Canadá, no Fantasia Film Festival. Daniel de Oliveira e Marco Ricca estão no elenco.


Na sexta-feira (26), das 9h30 às 12h30, acontece o segundo dia da oficina Cinema na Sala de Aula. Às 15h, é a vez da sessão especial com recursos de acessibilidade do filme gaúcho "Bio" (2017), de Carlos Gerbase, que mistura de documentário com ficção e está atualmente em cartaz nos cinemas do país. Fora de competição, às 17h, passa o documentário experimental "Yorimatã" (2014), de Rafael Saar, exibido nos festivais de Trieste (Itália) e São Paulo. À noite será exibido em competição, às 19h, o drama "Our Madness", de João Viana, uma das raras produções inteiramente filmadas em Moçambique. O longa ganhou o prêmio de melhor filme no mais importante festival de Portugal, o IndieLisboa, além de ter estreado no Festival de Berlim. Às 21h, também em competição, será exibido o longa-metragem "Domingo" (2018), de Clara Linhart e Fellipe Barbosa. Inteiramente rodado em Pelotas e inédito no RS, o filme terá como sua representante em Bagé a atriz gaúcha Ítala Nandi, premiada melhor atriz no Festival do Rio por este trabalho. A produção teve sua estreia no Festival de Veneza.


No dia 27 (sábado), ainda em competição, o longa mexicano "Ocho de Cada Diez" (2018), de Sergio Umansky Brener, passa às às 14h30min. A produção foi selecionado para o Festival de Cinema de Varsóvia. Às 16h30min, será projetada a coprodução entre Brasil e Portugal "Caminhos Magnétykos" (2018), de Edgar Pêra, selecionado para o Festival de Rotterdam, encerrando a mostra competitiva. A homenagem à Araci Esteves acontece às 18h, com a projeção de "Anahy De Las Misiones" (1997). Os títulos da mostra competitiva regional ganham as telas às 20h e logo após, às 21h, show de encerramento com a dupla musical carioca Jhasmyna & Fidelis, com participação de Rodrigo Garcia. Os vencedores serão anunciados às 22h com a cerimônia de premiação. "O Festival da Fronteira nasceu em torno da revitalização de um Centro Histórico e é fruto da valorização do patrimônio e da memória da região do pampa gaúcho. Este ano nossos olhos se voltam para a Vila de Santa Thereza e seu renascimento artístico no Século XXI", explica Zeca Brito. "Precisamos aprender com o passado, identificar nossos erros e acertos, e partindo de nossas ruínas, construir um caminho sustentável para o futuro", complementa.

0 comentários:

Postar um comentário

Em "Comentar como:"
Você pode comentar como "Anônimo"

Copyright © FOLHA DA CIDADE | Designed With By Blogger Templates
Scroll To Top