Anuário reconhece Dom Pedrito como um dos melhores municípios do país em termos fiscais



Com as contas equilibradas e maior capacidade de investimento para serviços à população, Dom Pedrito ganha destaque nacional por sua gestão. E o resultado desse trabalho foi reconhecido pelo "Anuário As Melhores Cidades do Brasil", divulgado pela revista Istoé. A cidade está entre as 50 melhores do país de pequeno porte (até 50 mil habitantes) em indicadores fiscais.

O ranking é elaborado em parceria com a agência de classificação de risco Austin Rating, avaliando os resultados dos 5.568 municípios do país em diversos indicadores. No índice geral na categoria fiscal, Dom Pedrito aparece em 27º lugar entre as cidades de pequeno porte de todo o Brasil, sendo a nona melhor do Rio Grande do Sul. Já no subgrupo capacidade de arrecadação, fica em 31º no país e oitavo no Estado.

"É uma grande alegria estar entre as melhores cidades do Brasil. Um resultado que nos orgulha por reconhecer o trabalho que temos realizado — e nos motiva para ir além, pensando sempre no desenvolvimento econômico e social", celebra o prefeito de Dom Pedrito, Mário Augusto de Freire Gonçalves.

Mário explica que desde que a atual gestão assumiu a Prefeitura foi feito um grande esforço para equilibrar as contas, revisando dívidas e retomando a capacidade do município para investir. "Em pouco tempo, colhemos os frutos. Hoje os recursos públicos são bem aplicados e nossos débitos estão praticamente a zero. Isso é governar com responsabilidade", enfatiza o prefeito.

Com as contas em dia, Dom Pedrito voltou a fazer investimentos, como na área de infraestrutura: antes, apenas 30% das ruas possuíam calçamento. Agora, esse número deve chegar a 70%. Outro compromisso da gestão é com o desenvolvimento, apoiando os empreendedores do campo e da cidade. Em maio, o município aderiu ao programa Cidade Empreendedora, do Sebrae RS, a partir do qual serão realizadas ações nos próximos dois anos com foco em fortalecimento da economia, desburocratização e atração de novas empresas.

"Estamos também investindo para digitalizar o atendimento da Prefeitura, além de fazer uma revisão da legislação para qualificar a arrecadação e, consequentemente, levar ao cidadão serviços cada vez melhores", destaca o secretário da Fazenda, Rafael Zanini. Ele ressalta o crescimento da sojicultura no interior, que passou de R$ 417 milhões em 2020, em valor da produção, para R$ 1,1 bilhão em 2021. "Isso traz novas e maiores oportunidades para toda a população. Vamos seguir com esse trabalho sério e responsável", conclui Rafael.

Sobre o índice

O indicador fiscal do anuário é composto por quatro subgrupos de avaliação: capacidade de arrecadação, que revela os avanços do município na gestão dos recursos próprios; execução do orçamento, mostrando o equilíbrio entre o que se arrecada e o que se gasta; aplicação de recursos na saúde e educação; e capacidade de pagamento, registrando como a cidade consegue elevar sua arrecadação ao longo do tempo.

81 visualizações0 comentário