Audiência debate implantação das escolas cívico-militares no RS



Em audiência pública da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, realizada na tarde de segunda-feira (4), tratou de problemas da implantação do modelo de escola cívico-militar no Rio Grande do Sul (RS). O debate foi proposto pelas deputadas Luciana Genro (PSol) e Sofia Cavedon (PT).


Aberta pelo presidente do Colegiado, deputado Beto Fantinel (MDB), a audiência foi conduzida pela deputada Luciana Genro. Inicialmente a deputada Luciana Genro explicou que o tema da audiência foi uma demanda do 39º núcleo do Cpers, através da professora Neiva Lazzaroto. O núcleo é autor de uma ação civil pública apontando inconstitucionalidade do modelo de escolas civis-militares. "Eu fiquei bastante preocupada com reportagem de um programa de TV que mostrou o que vem acontecendo nas escolas onde o modelo já está sendo implantado. Um modelo que traz uma visão de civismo bastante autoritária e deslocada da realidade dos estudantes", contou. Conforme a parlamentar, o modelo de escolas cívico-militares não respeita a autonomia das escolas, a pedagogia do ponto de vista das necessidades de uma escola democrática e que proporcione uma educação que tenha pluralidade.


A seguir, a professora Neiva Lazzarotto explicou os motivos que levaram o 39º Núcleo do Cpers pedir a suspensão da militarização das escolas públicas. Para ela, as escolas cívico-militares contradizem todas a defesa da escola pública, laica e historicamente defendida pelos educadores e entidades e setores ligados à educação. "No geral o que nos moveu foi a concepção deste modelo de escola, criado por um decreto. Para nós, militar é para cumprir a função de militar, escola é de professor, pedagogo", resumiu. Neiva expôs uma pesquisa da Folha de São Paulo, que aponta que 70 % da população brasileira entende que os civis educam melhor que os militares. Ela qualificou as cívico-militares de modelo ideológico.


O deputado Tenente-Coronel Zucco (Republicanos), um dos entusiastas das escolas cívico-militares no Estado, lembrou que o programa estabelece como requisito prévio a aprovação da comunidade escolar. "Em média, cerca de 90% dos país, mães, responsáveis e alunos, diretores, professores e funcionários aprovam este modelo de escola", disse. Zucco afirmou ainda que não há interferência de militares no conteúdo programático das escolas.


Na sua manifestação, o presidente em exercício do Cpers/Sindicato Alex Sarate declarou completa contrariedade à implantação das escolas cívico-militares. "Esta não é somente uma posição ideológica, mas baseada na questão pedagógica", salientou.


Vale destacar que Dom Pedrito conta com uma escola municipal que funcionará aos moldes do programa cívico-militar. De acordo com o secretário de Educação Marco Antônio Rodrigues, o município ainda aguarda a liberação dos monitores por parte da Secretaria da Segurança Pública. Ele completou informando que havia um impasse na pasta para que o processo avançasse.

47 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo